quarta-feira, 6 de julho de 2016

(...) O Crisóstomo então levantou-se, atravessou o quarto, saiu, foi ver Camilo deitado e beijá-lo para dormir e disse-lhe: nunca limites o amor, filho, nunca por preconceito algum limites o amor. O miúdo perguntou: porque dizes isso, pai. O pescador respondeu: porque é o único modo de também tu, um dia, te sentires o dobro do que és.
Amo-te muito, filho.
(...)
Excerto de O filho de mil homens.
Valter Hugo Mãe.

Nenhum comentário: